Azul

por Berenice Martins

Hoje o céu estava tão azul que me confundiu. Maravilhada pela paz vi que tudo se transformava em um soneto de amor. O sol iluminava o mar enquanto ele sussurrava a mais bela das canções, me trazendo para o aconchego do céu, do mar e da terra.

Então pude voar pelo infinito céu azul, somente os ruídos da natureza preenchiam os espaços vazios que ainda estavam em minha mente.

Pude brincar em uma enorme roda gigante que ora alcançava o infinito céu azul, ora me banhava na imensidão do mar azul, pois o mar era céu e o céu era mar e o azul me levou por luminosas dimensões me presenteando com energias vibratórias que se expandiram em todas as direções, tornando-se ainda mais belo.